Carta do Especialista 27/05/2022

2022-05-30


Sexta-feira, 27 de maio de 2022

O Google em breve lançará uma Inteligência artificial em nível humano. No futuro nossos dados estarão armazenados na nuvem ou na lua?… Um novo relatório mostra que deepfakes podem enganar sistemas de reconhecimento facial, e não só no mundo digital que acontecem fraudes, no mundo físico o Uísque é uma das bebidas que mais são falsificadas e para isto um nariz eletrônico pode ajudar a identificar… E já que o assunto é identificação, confira as 5 plataformas de Identidade Digital mais inovadoras e seguras em 2022.

🧠 Inteligência artificial em nível humano – Pode estar mais próximo do que imaginávamos

As IAs atuais são incríveis, disso não temos dúvida, mas é comum vermos certas limitações ao tentarem exercer algumas tarefas para as quais não foram programadas. Digamos que ainda estão longe de atingir a excelência humana – Pelo menos é que pensamos até agora, não concorda?

O Google afirmou que está próximo de atingir este objetivo ao criar a Inteligência Artificial Geral (IAG). Ela está sendo analisada como algo extraordinário e superior a todos os robôs que temos hoje em dia. Os pesquisados do Google garantem que a IA poderá realmente fazer qualquer coisa que os humanos fazem ou até o que ainda não fazemos.

Segundo o pesquisador, Dr. Nando de Freitas, a Inteligência Artificial Geral será mais poderosa do que os seres humanos, vide os avanços atingidos até agora, conforme ele mesmo declarou em seu twitter “gameover”

Mesmo com os avanços incríveis de Machine Learning das últimas décadas, a AGI será incomparável, pois contará com redes neurais “ligeiramente conscientes”. A ideia é criar modelos maiores, mais seguros, eficientes em computação, mais rápidos na amostragem, com memória mais inteligente e utilizando dados inovadores.

Recentemente lançaram a DeepMind IA ‘Gato’, modelo que demonstrou ter grande potencial. Conhecido por ser um “agente generalista”, o Gato funciona como uma política generalista, multimodal, multitarefa e multicorporativa. Ele é capaz de reconhecer e legendar imagens, bater papo, empilhar blocos, jogar Atari, escrever textos, etc.

Muito semelhante ao nosso cérebro, a inteligência é capaz de produzir vários resultados para diferentes tarefas. O Gato será semelhante ao projeto “Flamingo”, também da empresa DeepMind. O Flamingo é um modelo de linguagem visual capaz de resolver problemas difíceis com apenas alguns exemplos de tarefas, sem necessidade de treinamento.

Um dos diferenciais do Gato é que antes, as inteligências artificiais não eram capazes de escrever textos e reconhecer imagens ao mesmo tempo, e agora, graças à DeepMind, essas habilidades puderam ser unidas.

De acordo com Scott Reed, co-autor e pesquisador da rede neural em questão, “A maioria dos sistemas de IA atuais funciona para uma única tarefa ou domínio restrito por vez. Ter um único sistema capaz de resolver muitas atividades não é algo novo. No entanto, a novidade aqui é a diversidade de tarefas abordadas e o método de treinamento”.

Há testes sendo feitos para obter resultados quanto aos avanços tecnológicos do Gato, que até o presente momento, foram melhores do que o esperado. Por exemplo, o agente generalista já venceu vários jogadores humanos no Atari de 23 formas diferentes, além de conseguir resultados superiores em 44 jogos de vídeo-game diferentes.

No entanto, é um grande desafio criar algo que supere a capacidade humana, teremos que pagar para ver se realmente essa próxima IA será tudo isso que o Freitas está dizendo.

Saiba mais no Olhar Digital.

🌙 Dados armazenados na Nuvem ou na Lua?

A startup Lonestar Data Holdings pretende construir datacenters na Lua fazendo backups dos dados aqui da Terra, para mantê-los mais seguros.

Segundo Christopher Stott, fundador e CEO da Lonestar: “É inconcebível para mim que estejamos mantendo nossos ativos mais preciosos, nosso conhecimento e nossos dados, na Terra, onde estamos detonando bombas e queimando coisas”, Ele disse também ao The Register. “Precisamos colocar nossos ativos fora de nosso planeta, onde possamos mantê-lo seguro.”

A Lonestar construirá uma instalação de armazenamento de dados no espaço para salvaguardar o conhecimento humano. Pois, de acordo com o CEO, armazenados aqui na Terra correm perigo.

Atualmente a Startup está fechando sua rodada de sementes de US$5 Milhões de investidores como a Seldor Capital e 2 Future Holding. E para conseguir arrecadar mais financiamento, será necessário provar que a ideia do projeto é viável.

No mês passado a empresa assinou contratos para lançar demonstrações de protótipos de seus software e hardware a bordo de duas sondas lunares com a Intuitive Machines, empresa aeroespacial financiada pela NASA.

A agência espacial fará duas missões sob o programa Commercial Lunar Payload Service, a Intuitive Machines, enviará a primeira sonda, Nova-C, à Lua no final deste ano. A Nova-C ou IM-1 terá um pequeno armazenamento de dados no Hardware do modelo de pouso. É esperado que a sonda dure um dia lunar – equivalente a 2 semanas na Terra.

No segundo lançamento, programado para 2023, o planejamento será um pouco maior, a Intuitive Machines enviará a sonda IM-2 ao Pólo Sul da Lua carregando mais equipamentos, incluindo a broca PRIME-1 da NASA para gelo, um espectrômetro e o protótipo de hardware da Lonestar contendo 16 terabytes de memória.

Saiba mais no The Register

🎭 Deepfakes podem enganar reconhecimento facial

Um novo relatório sobre ataques de deepfake mostra que os sistemas de reconhecimento facial podem ser facilmente enganados.

A startup Sensity AI foca seu projeto em combater a fraude de identidade, a partir de simulações de uma série de ataques realizada por sua equipe. Os engenheiros digitalizaram a imagem de uma pessoa a partir do cartão de identificação e mapearam sua semelhança no rosto de outras pessoas. Feito isso, eles testaram se poderiam violar sistemas de reconhecimento facial ao vivo, fingindo ser o usuário real.

Os “testes de vivacidade” tentam autenticar identidades em tempo real, ao posicionarem o rosto na frente da câmera, esta tecnologia é comumente encontrada em modelos mais modernos de celulares com opção de desbloqueio de tela. Nos testes, 9 entre 10 fornecedores falharam nos ataques de deepfake ao vivo da Sensity.

As empresas suscetíveis aos ataques de deepfake não foram divulgadas pela Sensity: “Dissemos a eles ‘olhe, você é vulnerável a esse tipo de ataque’ e eles disseram ‘não nos importamos'”, disse Francesco Cavalli, diretor de operações da Sensity, ao The Verge. “Decidimos publicá-lo porque achamos que, em nível corporativo e em geral, o público deve estar ciente dessas ameaças”.

Os testes de vivacidade não são completamente confiáveis, especialmente nos casos em que os bancos fiscais usam para autenticação biométrica automatizada. Apesar de não serem simples de serem fraudados, este relatório serve como um alerta.

Saiba mais no The Register.

👃 Um novo nariz eletrônico pode acabar com o uísque falsificado

Para os amantes de um bom uísque, trago boas notícias… Pesquisadores da Universidade de Tecnologia de Sydney (UTS), na Austrália, desenvolveram o dispositivo NOS.E, capaz de detectar a diferença entre uísques originais e imitações apenas “cheirando-os”.

Muitos apaixonados pela bebida, até mesmo com a vasta experiência no assunto, podem ser enganados por fraudes. E este é um problema crescente para a indústria do uísque.

Para solucionar a questão, os pesquisadores da UTS, criaram um nariz eletrônico que consegue identificar diferentes estilos, marcas e origens de uísques ao “cheirar” algumas amostras.

O dispositivo conseguiu ser bastante preciso ao fazer a identificação. No artigo publicado em 1° de abril na revista IEEE Sensors, ele foi capaz de diferenciar três uísques de malte misturados e três uísques de malte simples – feitos por Johnnie Walker, Ardbeg , Chivas Regal e Macallan . — Em menos de quatro minutos. O protótipo foi 100% preciso na região, 96,15% preciso no nome da marca e 92,31% preciso no estilo dos seis uísques testados na feira CEBIT Australia em 2019.

Outro ponto interessante é que o NOS.E é rápido e relativamente barato. A partir de 8 sensores de gás que podem “cheirar” a amostra, a informação de cada molécula de odor detectada é enviada para o computador. O algoritmo de aprendizagem de máquina digere estas informações, com base no treinamento de reconhecimento das características da bebida, transforma em dados de forma que façam sentido.

Tecnologias semelhantes a esta já foram utilizadas anteriormente, como por exemplo: impedir o tráfico ilegal de animais selvagens, avaliar odores de estações de tratamento de águas residuais, identificar células cancerígenas e, detectar Covid-19, entre outros usos.

O dispositivo tem um grande potencial para o futuro, além de identificar imitações de uísque, os pesquisadores pretendem expandir para identificar vinhos, conhaques e perfumes caros. Inclusive detectar doenças e outras aplicações médicas.

Saiba mais no Smithsonian Magazine.

✨ Inovações de identidade digital em 2022

Nossa identidade é única e muito importante tanto no mundo físico quanto no digital, considerando inclusive que, em cada um dos mundos precisamos nos identificar de formas diferentes: no mundo real, utilizamos recursos físicos, como uma imagem facial, impressão digital, informações pessoais e documentos oficiais. No mundo digital, todas essas informações existem, mas o que nos identifica são os dados eletrônicos que caracterizam uma pessoa como: nomes de usuário, senhas, cartões com chip, tokens ou dados biométricos.

Dessa forma podemos utilizar bancos online, entrar em fóruns, redes sociais, ou conta de e-mail e, em cada um desses casos a autenticação acontece de uma maneira diferente. Nesse contexto, a identidade digital confiável e segura está se tornando a tecnologia chave para a soberania de dados e se tornando o pilar da economia digital.

Eu trouxe para vocês alguns líderes do setor que criaram soluções inovadoras e estão quebrando as barreiras da identidade digital e privacidade de dados:

  1. ShareRing
    A ShareRing é uma tecnologia baseada em blockchain, onde se cria uma “impressão digital” imutável da identidade e documentos pessoais verificáveis, dando ao usuário controle total sobre seus dados. O ecossistema da plataforma possibilita que indivíduos e empresas realizem transações em um ambiente digital seguro e confiável, uma vez que residem apenas em seu dispositivo pessoal em um formato criptografado e nunca é armazenado centralmente.
  2. Socure
    A Socure é uma plataforma que oferece suporte ao gerenciamento automatizado de risco de fraude de identidade de aprendizado de máquina. Muito usada por empresas para verificarem os clientes e desbloquearem o rápido crescimento de aquisições em todos os canais.
  3. Sumsub
    Esta plataforma talvez seja a mais completa em termos de verificação, pois foi planejada para ser tudo-em-um. Nela se capturam fraudadores, o que ajuda as empresas a cumprirem os regulamentos de conformidade em todo o mundo.
  4. BioCatch
    A Biocatch se concentra no comportamento do usuário online, combatendo os desafios de identidade digital. Trata-se de uma plataforma líder de soluções de biometria comportamental, autenticação e detecção de malware para aplicativos móveis e web.
  5. Trulioo
    O Serviço de Verificação de Identidade Global intitulado GlobalGateway da Trulioo foi criado para o mercado internacional, especialmente para ajudar empresas a cumprirem as normas Anti-Money Laundering (AML) e Know Your Customer (KYC). Atualmente, diversos setores são atendidos pela plataforma, incluindo finanças, bancos, varejo, pagamentos, jogos e mercados online por meio de uma única integração de API.

Sem dúvida a proteção de dados é a maior prioridade em cada uma das plataformas apresentadas.

Mas e aí… você já conhecia alguma dessas empresas e o propósito de cada uma?

Por hoje é só, até semana que vem!

@Renatograu | Linktree



Você também pode se interessar

Fique por dentro de tudo!