Carta do Especialista 12/08/2022

2022-08-17


Carta do Especialista 🧐

Sexta-feira, 12 de agosto de 2022.

A Inteligência Artificial dominou a Carta de hoje. Quem sabe uma das próximas será escrita por ela…É um dos temas abordados. Além disso você saberá das evoluções exponenciais em que ela já está superando – e muito – a Inteligência humana. Até querendo mudar as leis da física ela parece estar querendo…E que tal conhecer a primeira experiência de teletransporte internacional?

Tudo isso e muito mais! Bora lá. 👋

🧠 Rede neural artificial 1 milhão de vezes mais rápida do que a real

Pesquisadores do MIT afirmam ter criado sinapses analógicas 1 milhão de vezes mais rápidas do que a do cérebro humano. Esta descoberta tem potencial para alavancar o aprendizado profundo analógico, uma área promissora da inteligência artificial.

Para funcionar desta maneira, os processadores analógicos precisam de resistores programáveis. Uma vez dispostos na posição correta, esses resistores podem ser usados para criar uma rede de sinapses e neurônios analógicos.

As sinapses além de ultra velocidade, são muito eficientes quanto ao consumo energético. Em tempos de ESG, isto é de grande importância, pois à medida que as redes neurais se tornam mais aprimoradas e potentes, elas exigem ainda mais energia, o que aumenta consideravelmente a pegada de carbono.

Neste experimento, os pesquisadores conseguiram atingir velocidades de nanosegundos utilizando um vidro de alta tecnologia, conhecidos como vidro fosfosilicato inorgânico (PSG), e graças a isso eles identificaram que a rapidez das sinapses analógicas supera as capacidades humanas. Que medo…rs 😬

“O potencial de ação nas células biológicas aumenta e diminui com uma escala de milissegundos, uma vez que a diferença de voltagem de cerca de 0,1 volt é limitada pela estabilidade da água”, disse o autor sênior e professor de ciência nuclear Ju Li, no comunicado. “Aqui aplicamos até dez volts em um filme de vidro sólido especial de espessura em nanoescala que conduz prótons, sem danificá-lo permanentemente.”

“E quanto mais forte o campo, mais rápidos os dispositivos iônicos”, acrescentou.

Outro ponto interessante é que o PSG pode suportar altas tensões sem quebrar, permitindo que os prótons naveguem com velocidades altíssimas, mantendo a eficiência em termos de energia. O material é comum e fácil de fabricar, tornando-o não apenas a opção mais rápida, mas também prática.

“Uma vez que você tenha um processador analógico, você não estará mais treinando redes em que todo mundo está trabalhando”, disse o principal autor Murat Onen no comunicado. “Você estará treinando redes com complexidades sem precedentes que terão uma performance absurda. Em outras palavras, este não é um carro mais rápido, é uma espaçonave”, acrescentou.

Fonte: Futurism

🖥️ Supercomputador da China fica em primeiro lugar como a mais potente do mundo

Acabamos de mencionar uma tecnologia de rede neural artificial com potencial de superar 1 milhão de vezes a real…E agora, cientistas da China desenvolveram um novo supercomputador rápido o suficiente para efetuar com sucesso um modelo de IA tão aprimorado quanto um cérebro humano….Ai ai ai…Onde vamos parar? 😥

Este é o supercomputador Sunway, que alcança o mesmo nível da Frontier, equipamento de última geração construído pelo Departamento de Energia dos EUA que, até o início de junho, ocupava o lugar da máquina mais poderosa do mundo…

Os chineses usaram a Sunway para treinar o modelo de IA – chamado “Bagualu”, que significa “poder de alquimista” – com 174 trilhões de parâmetros, rivalizando com as sinapses cerebrais humanas.

A máquina poderá ser utilizada em veículos autônomos, reconhecimento facial, processamento de linguagem natural, visão computacional, ciências da vida e química.

Os resultados foram apresentados em uma reunião virtual de Princípios e Práticas de Programação Paralela 2022, uma conferência internacional organizada pela “Association for Computing Machinery” (ACM), com sede nos EUA, em abril. Um dos membros da equipe de pesquisa confirmou a autenticidade do supercomputador, mas pediu sigilo.

De acordo com os pesquisadores, o Sunway tem uma velocidade de um bilhão de bilhões de operações por segundo, expressa como 5,3 operações de ponto flutuante por segundo (Exaflops), e mais de 37 milhões de núcleos de CPU – quatro vezes mais do que o Frontier.

Ainda segundo eles, o Sunway, com nove Petabytes de memória – o equivalente a mais de dois milhões de filmes com qualidade de DVD – e 96.000 sistemas de computador semi-independentes chamados de nós, lembrava um poderoso cérebro humano. E a comunicação entre os nós, alcançando velocidades superiores a 23 Petabytes por segundo, capacidade de computação que imita o pensamento humano, por exemplo, quando fazemos mais de uma coisa ao mesmo tempo, do tipo “assistirmos televisão enquanto comemos”.

Assim como seu antecessor, o “Sunway TaihuLight”, a nova máquina usa chips projetados com recursos exclusivos, como economia de energia e ampla largura de banda de comunicação, de acordo com informações publicamente disponíveis.

Combinando tecnologias críticas, como otimização específica de hardware e estratégias paralelas híbridas em uma escala jamais vista, os cientistas disseram que alcançaram um “desempenho decente” do modelo de IA sem precedentes e, em “escala cerebral”.

Confira mais detalhes no South China Morning Post.

👩🏻‍🔬 Inteligência Artificial descobre uma física alternativa

Bem…Além de rivalizar com nosso cérebro, agora, um novo programa de Inteligência Artificial desenvolvido por cientistas da Universidade de Columbia descobriu uma física alternativa…Está ficando divertido né? rs 😅

Após assistir vídeos de fenômenos físicos da Terra, a IA redescobriu algumas variáveis que usamos atualmente e explicou o que viu com novas variáveis.

Os pesquisadores esclarecem que isso não significa que a nossa física atual seja ineficiente ou que existam modelos melhores para explicar o nosso mundo. No entanto, as leis da física só poderiam existir por se basearem em “linguagem’ preexistente de teses e princípios estabelecidos por séculos de tradição. Mesmo com a nova tecnologia de imagens de buracos negros e detecção de mundos estranhos, essas leis mantiveram iguais.

A nova IA apenas observou vídeos de diversos fenômenos físicos, portanto, não criou de fato novas leis da Fïsica, ou novas maneiras para explicar o Universo ou superar as robustas leis desenvolvidas por Einstein. Até porque não foi este o objetivo da experiência.

“Eu sempre me perguntei se, caso alguma vez encontrássemos com uma raça alienígena inteligente, eles teriam descoberto as mesmas leis da física que nós, ou se eles poderiam descrever o Universo de uma maneira diferente.” diz o roboticista Hod Lipson, do “Creative Machines Lab” da Columbia.

Nos experimentos o número de variáveis era o mesmo toda vez que a IA era reiniciada, mas as variáveis específicas eram diferentes a cada vez. Desta maneira tudo leva a crer que há sim novas e diferentes maneiras de descrever o Universo e existe a possibilidade das maneiras que conhecemos não sejam as mais corretas.

Empolgados com a ideia, a equipe quer saber se IA poderia realmente encontrar novas variáveis. O próximo passo seria ajudar a explicar novos fenômenos complexos emergentes com a quantidade exorbitante de dados existente como os originados pelo Grande Colisor de Hádrons, um experimento gigante que sugere, inclusive, uma nova física.

“Que outras leis estamos perdendo simplesmente porque não temos as variáveis?” diz o matemático Qiang Du , da Universidade de Columbia.

Para que a IA encontrasse uma nova física, a equipe alimentou o sistema com vídeos brutos de fenômenos que eles já entendiam e perguntou ao programa: ‘Quais são as variáveis fundamentais mínimas necessárias para descrever o que está acontecendo?’

O primeiro vídeo mostrou um pêndulo duplo oscilante que é conhecido por ter quatro variáveis de estado em jogo: o ângulo e a velocidade angular de cada um dos dois pêndulos.

A IA refletiu sobre a filmagem e a pergunta por algumas horas e depois cuspiu uma resposta: “esse fenômeno exigiria 4,7 variáveis para explicá-lo”, disse. Isso é próximo o suficiente dos quatro que conhecemos… No entanto, ainda não explicou o que a IA achava que eram as variáveis.

Então, a equipe tentou combinar as variáveis conhecidas com as variáveis que a IA havia escolhido. Dois deles combinavam vagamente com os ângulos dos braços, mas as outras duas variáveis permaneceram um mistério. Ainda assim, a IA poderia fazer previsões precisas sobre o que o sistema faria a seguir, então a equipe imaginou que a IA deveria estar em algo que eles não conseguiam entender.

“Tentamos correlacionar as outras variáveis com tudo e qualquer coisa que pudéssemos pensar: velocidades angulares e lineares, energia cinética e potencial e várias combinações de quantidades conhecidas”, diz o pesquisador de software Boyuan Chen , agora professor assistente da Duke University, que liderou o trabalho.

“Mas nada parecia combinar perfeitamente… ainda não entendemos a linguagem matemática que está falando.”

A equipe então passou a mostrar outros vídeos à IA. O primeiro apresentava um braço ondulado ‘dançarino do ar’ soprando no vento (a IA disse que isso tinha oito variáveis). A filmagem da lâmpada de lava também produziu oito variáveis. Um videoclipe de chamas voltou com 24 variáveis. Em cada vez, as variáveis eram únicas.

“Sem nenhum conhecimento prévio da física subjacente, nosso algoritmo descobre a dimensão intrínseca da dinâmica observada e identifica conjuntos candidatos de variáveis de estado”, escrevem os pesquisadores em seu artigo. Tudo indica que, no futuro, a IA poderia nos ajudar a identificar variáveis que sustentam novos conceitos que não conhecidos atualmente. Incrível o que está ainda por vir.

Fonte: Sciencealert.

✍️⌨️IA podem escrever tão bem quantos os humanos

Não é novidade que Inteligência artificial seja um dos assuntos que mais gosto de abordar… veja essa carta rs😏.. Recentemente um post chamou minha atenção…Bem, o mais interessante no texto é que ele foi totalmente escrito por uma IA em nome de Caio Andrade (o coautor do artigo).

No início somos abordados por duas perguntas: Uma IA será capaz de escrever um post tão bem ou melhor que um humano? E se sim, em quanto tempo isso acontecerá?

Aparentemente a IA acredita que sim em ambas as perguntas, mesmo que ainda leve um certo tempo para que isso aconteça… Na minha opinião não podemos “fechar nenhum diagnóstico” do que está porvir exatamente. Mas podemos avaliar tendências de futuro. Por ora já estamos vendo que as IAs serão muito funcionais para escrever textos explicativos e artigos, mas será que obras de arte que ganham destaque por serem magníficas, que exigem criatividade e sentimento dos seus autores, também? Só o tempo irá dizer…

Voltando à primeira pergunta, quando falamos em escrever um blog, é possível usar métricas como contagem de palavras e palavras únicas por sentenças, sendo estes indicadores de qualidade (uma maneira de nós humanos julgarmos nosso trabalho).

Porém, parece complicado para a IA escrever algo que consideramos “Bom” pois não é claro como exatamente fazemos esta distinção. Existe muita subjetividade e as máquinas não lidam bem com isto. O cérebro humano é umas das coisas mais complexas do universo e temos formas únicas de surpreender, o que torna ainda mais difícil replicar nossas façanhas com a tecnologia atual. Mas se lembrarmos das duas primeiras notícias deste newsletter, acontecem novas reflexões.

Cada pessoa tem um entendimento individual de mundo; eu nunca saberei se o azul que vejo no céu é o mesmo que você enxerga. Contamos com as nossas memórias e experiências de vida para descrever acontecimentos. E ao passar isso para um texto, podemos perder detalhes ou incluir coisas da nossa perspectiva.

Chegamos à conclusão de que sim a IAs poderão escrever blogs, ainda não de maneira perfeita e que há muito por vir. Até onde, ninguém sabe…Nem a IA nem nós…rs 🤷🏻‍♂️

Veja o texto no Hicaio.

🌎 O primeiro teletransporte internacional do mundo

Calma…Ainda não é possível o que assistimos nos episódios de Jornada nas Estrelas…Por ora estamos em uma “experiência metavérsica” 😎…rs…Mas não deixa de ser algo muito interessante!

Pesquisadores canadenses da Universidade de Western Ontário, realizaram o primeiro teletransporte holográfico entre Canadá e EUA. O vídeo divulgado demonstra como eles conseguiram combinar holograma e teletransporte para transmitir as imagens das pessoas instantaneamente de um lugar para o outro.

Em abril a NASA fez algo semelhante ao “teletransportar” um médico para dentro da Estação Espacial Internacional (ISS). Desta vez, os cientistas conseguiram cruzar as fronteiras internacionais utilizando óculos especiais para isso.

“Tivemos a incrível oportunidade de demonstrar o primeiro teletransporte holográfico internacional de duas vias. Transportamos uma pessoa do Alabama, nos EUA, para Ontário, no Canadá, e depois fizemos o caminho contrário, sem ter que pagar por hospedagem ou passagem aérea”, brinca o professor de engenharia Adam Sirek, autor principal do projeto.

A experiência foi feita com os óculos de realidade virtual da Microsoft, HoloLens, utilizando um software específico da empresa Aexa Aerospace, com sede em Houston nos EUA.

Para isso, eles utilizaram uma câmera espacial capaz de criar uma imagem holográfica de determinado assunto que, depois processada, é enviada para o destino escolhido. Uma pessoa do outro lado da linha usando o HoloLens consegue ver essa imagem como se ela estivesse fisicamente no ambiente de destino.

“Se ambos estiverem usando o HoloLens, eles podem interagir no ambiente um do outro como se realmente estivessem lá e isso é muito chocante. É como se eu pudesse praticamente apertar a mão da pessoa do outro lado da linha”, acrescenta o estudante de medicina Adam Levschuk.

Atualmente, todo o equipamento utilizado no teletransporte holográfico custa cerca de US$ 5 mil (mais ou menos uns R$ 26,5 mil 💸 atualmente…Ainda mais em R$, eu também senti essa pontada.. rs). Um custo elevado, mas relativamente menor quando comparado com o preço de passagens aéreas e hospedagens se a pessoa tiver que se deslocar fisicamente até o local.

O próximo passo é aperfeiçoar o protótipo, acrescentando biosensores capazes de monitorar a frequência cardíaca e a saturação de oxigênio no sangue, além de sensores hápticos que possam transmitir a sensação de toque e aumentar a interação entre os usuários do HoloLens.

No futuro, os pesquisadores acreditam que essa tecnologia possa ser usada para facilitar o acesso de médicos a áreas remotas ou, simplesmente, para conectar pessoas a quilômetros de distância, aumentando a experiência interativa durante uma conversa virtual.

“Nós olhamos para isso de uma perspectiva espacial. Já pensou como seria se um astronauta que estivesse em uma missão de três meses no espaço pudesse descer e se sentar na sala de casa, para um jantar em família sempre que tivesse vontade? Isso seria incrível, para dizer o mínimo”, encerra o professor Sirek.

Aí eu pessoalmente acredito mais na aplicação de conceito de Metaverso…Não o que estamos ainda vendo por aí, de plataformas gameficadas…

Fonte: Canal Tech
Por hoje é só!

Renato Grau



Você também pode se interessar

Fique por dentro de tudo!