Carta do Especialista 06/05/2022

2022-05-06


Tempo de leitura: 5 minutos

Carta do Especialista 🧐

Sexta-feira, 6 de maio de 2022

Confira na carta de hoje: o paciente com esclerose lateral amiotrófica que conseguiu formular frases pela primeira vez com a tecnologia que registra atividades cerebrais. Quer queimar menos combustível fóssil?… Basta queimar mais calorias… E, neste mundo em que o conceito de ESG está crescendo muito, conheça o novo concreto mais resistente e ecológico. Já imaginou que a realidade virtual que pode ajudar no tratamento de pacientes com dor crônica? Por último… Será que será possível proteger sua rede comercial contra ataques, utilizando computação quântica?

Bora lá?! ✨

🧠 Homem com doença neurodegenerativa (ELA) pela primeira vez, conseguiu formar frases somente com o pensamento

A síndrome de encarceramento ou esclerose lateral amiotrófica (ELA), é uma doença neurológica rara e progressiva que afeta neurônios envolvidos no movimento. Um dos casos mais conhecidos foi do físico Stephen Hawking, que faleceu aos 76 anos, em 2018 devido a complicações da doença.

Recentemente um alemão com a mesma doença em estágio avançado, conseguiu formar frases completas apenas com o pensamento. Ele usa um dispositivo que registra sua atividade cerebral. O mais incrível é que ele foi capaz de treinar a sua mente para fazer pedidos, como: massagens, sopas, uma cerveja e assistir filmes com o seu filho.

Segundo os pesquisadores envolvidos neste trabalho, essa foi a primeira vez que uma pessoa com a síndrome de encarceramento no estado de completa paralisia, conseguiu se comunicar. O paciente nesta condição, é consciente e cognitivamente capaz, porém completamente inerte.

As interfaces cérebro-computador (ou BCIs, em inglês) fazem a gravação dos sinais elétricos dentro do cérebro de uma pessoa e os convertem em comandos que controlam um dispositivo. Anteriormente houve casos em que pacientes parcialmente paralisados foram capazes de controlar membros protéticos ou comunicar um “sim” ou “não”, somente com o pensamento.

Jaimie Henderson, neurocirurgiã da Universidade de Stanford, diz que “É um tremendo avanço e, obviamente, bastante significativo para o participante da pesquisa”.

Confira mais detalhes da pesquisa no MIT Technology review.

🏃🏻 Queime calorias do seu corpo para aquecer seu apartamento

Com a chegada do inverno o que mais queremos é manter nossos lares quentinhos… Para isso, ao invés de queimarmos combustível fóssil, podemos usar nosso próprio calor, como demonstra uma pesquisa divulgada na Fast Company.

Segundo a ciência, um corpo humano médio emite cerca de 100 watts de calor em repouso. Ao se exercitar esse calor pode ultrapassar 1000 watts. Para se ter uma ideia, essa energia pode ferver 1 litro de água em seis minutos. Como referência, uma chaleira doméstica comum (3kw) que leva pouco mais de 2 minutos.

Essa energia corporal vem principalmente da comida. O metabolismo interno do corpo usa produtos da digestão, como o carboidrato e ácidos graxos, para produzir a energia que impulsiona a contração muscular. O corpo faz o processo de resfriamento (transpiração) liberando cerca de 70% a 95% da energia produzida.

Uma família média no Reino Unido consome por volta de 1000 kWh de gás por mês. Essa caldeira a gás tem um potencial de aproximadamente 30kW. Pessoas dançando juntas, podem gerar 150kW de calor ou 3.600 kWh em 24 horas. Outra referência interessante: seriam necessários 500 dançarinos para produzirem a energia de cinco caldeiras a gás.

Ao reunir as pessoas dentro de casa o calor se acumula. Por exemplo, se 500 pessoas estiverem dentro de um teatro, supondo que cada uma esteja produzindo 100 watts de energia térmica, isso significa que 50 kW de calor serão emitidos no total: o equivalente a 25 a 30 chaleiras de cozinha médias com água fervendo continuamente.

Mas como esse calor humano poderia ser reaproveitado para aquecer os prédios?
É comum que os edifícios utilizem sistemas de ventilação ou ar-condicionado para reduzirem as temperaturas e melhorarem a qualidade do ar. O calor extraído é jogado no ambiente externo, desperdiçando energia. A opção seria capturar o calor de uma multidão extraído por “trocadores de calor mecânicos” – que fariam o papel de transferirem o calor de uma área para outra – e aquecerem o ar em prédios vizinhos.

Atualmente, em alguns lugares do mundo os sistemas de aquecimento corporal já são uma realidade. Na Suécia, por exemplo, o edifício de escritórios Kungsbrohuset localizado acima da estação central de metrô de Estocolmo é parcialmente aquecido pelo calor corporal dos viajantes diários que passam pela estação. O que levou a uma redução de necessidade de aquecimento em 5% a 10%. Esse calor extraído da estação, é armazenado em água que é usada para aquecer os escritórios acima.

Essa solução, pode trazer bastante economia, principalmente em lugares com muito frio… Além disso, nosso planeta agradece! 🌏😉
Vale a lembrança que muitas casas no passado armazenavam animais no porão. Justamente com este objetivo!
Saiba mais no Fast Company.

🤕 A iniciativa inovadora de Realidade Virtual para tratar pacientes com dor crônica

O sistema de Realidade Virtual da Applied VR para tratamento de dores crônicas, foi aprovado em novembro pelo FDA (Food and Drug Administration).

Vale destacar a nova abordagem da empresa de realidade virtual no processo de ensaios clínicos que, ao invés de procurar as informações em grupos de pacientes que apresentam esta condição, as extraiu de um vasto banco de registros de saúde de pacientes anônimos, com o apoio da Komodo Health, empresa especializada em dados de saúde. Este banco contém diversas condições de saúde, inclusive a necessária para estes testes – dor crônica, que acompanhou as pessoas ao longo da vida. Agora a empresa continua coletando mais dados sobre como funciona o tratamento em diferentes grupos do mundo.

Com esta parceria, a Applied VR agora pode acompanhar a experiência dos pacientes crônicos com problemas na região lombar em geral e comparar com a experiência de pacientes inscritos no estudo.

“Agora, à medida que avançam, eles poderão entender e demonstrar muito mais claramente o valor de sua tecnologia e o que ela oferece em comparação com os tratamentos tradicionais de dor crônica”, diz Web Sun, presidente e cofundador da Komodo Health. Ele complementa dizendo: “Economiza tempo e dinheiro, mas, mais importante, representa a oportunidade para acelerarmos o desenvolvimento de novas terapias e trazê-las ao mercado de forma mais rápida, barata e representativa.”

Saiba mais no The Verge.

♻️ Inteligência Artificial cria concreto mais resistente e ecológico

Pesquisadores da META AI, em parceria com cientistas da Universidade de Illinois, nos EUA, desenvolveram um sistema de IA capaz de criar e desenvolver fórmulas de concreto mais resistentes e melhoradas, reduzindo também a produção de carbono durante a produção.

Os métodos tradicionais usados pela produção de concreto são responsáveis pela geração de 8% do total anual das emissões globais de dióxido de carbono. Levando em conta a quantidade e a qualidade do cimento utilizado para a fabricação comum.

“Para desenvolver nossa IA, nós treinamos um modelo usando um banco de dados de resistência à compressão do concreto. Este conjunto contém mais de mil fórmulas e seus atributos estruturais, incluindo os dados de resistência em um período de sete a 28 dias”, explica o professor de engenharia civil Lav Varshney.

A empresa e os pesquisadores, pretendem aprimorar ainda mais o projeto, reduzindo o tempo de secagem, melhorando a resistência do material e garantindo que o processo de cura seja mais rápido do que o concreto convencional.

Até o momento eles estão realizando testes, inclusive, contam com o apoio da empresa de concreto Oziga, que está construindo um novo data center da Meta, em Illinois.

Saiba mais no Canal Tech.

👨🏻‍💻Computação quântica na defesa de redes comerciais

O grupo britânico de telecomunicações BT e a japonesa Toshiba, lançaram recentemente o primeiro teste comercial de uma rede projetada para impedir ataques realizados por meio de computação quântica.

Segundo as empresas, a rede será usada pelo grupo de serviços EY para conectar duas instalações em Londres.

Os computadores quânticos têm o potencial tecnológico de processamento de dados milhões de vezes mais rápido do que o de supercomputadores atuais, pois diferente das máquinas convencionais que armazena as informações em bits, na computação quântica é utilizada uma propriedade de partículas subatômicas que as permitem existir simultaneamente em diferentes estados. Além disso, as partículas possuem o poder de influenciar o comportamento das outras de forma observável.

Sendo assim, a tecnologia quântica tem grande potencial para quebrar chaves de codificação de dados enquanto eles são transmitidos.

Segundo o vice-presidente de tecnologia da BT, Howard Watson: “A tecnologia “Quantum Key Distribution (QKD)”, usa fotônica para transmitir chaves de codificação em redes de fibra ótica. Se a QKD é invadida na transmissão em um ataque hacker, o estado das partículas muda e com isso a invasão pode ser detectada em tempo real.

Saiba mais na Forbes.

Por hoje é só, até semana que vem!

@Renatograu | Linktree



Você também pode se interessar

Futuro da Indústria no ABC

Futuro da Indústria no ABC

Fique por dentro de tudo!